Dias coloridos!: A ler (III)
Dias coloridos!: A ler (III)
Cor e mais cor
 


online


Kinja, the weblog guide


aog69444
À beira mar plantada
A miúda da 4L
Boneca de Papel
Da minha vida sei eu
Duas novas vidinhas
Equívocos
Ilha das maçãs
Lia
Oriana
Uns e outros
Ynismon
2 tons

rosa02
A ervilha
A minha vida dava um blog
Apenas mais um
Bomba inteligente
Borboletas na barriga
Caixa de costura
Capitão Amendoim
Controversa maresia
De vagares...
E as fadas também se enganam no caminho?
Estorias minhas
Gomezzz
Ideiafixe
Lado B
Meia volta
Murcon
Papoila procria
PLS
Rititi
Rosa carne
Uma gota no oceano
Vento na praia

i2-1
100 Nada
A gata que mia
(In)certezas
A Ruiva
Lavandaria de ideias
Mais bolos
Marimbando
Olhos azuis
Rosa Shocking
P^2
Verde alface
Mordidas Mansas
Muito sobre nada
Água tónica e gingerale
Namorar o horizonte
Matraquilhos
Escárnio e bem dizer

i1
Bananada de goiaba
Casca d'Ovo
Doendes e duentes
Policromia
Amorizade
Assumidamente
Sr. Carne
The old man
A origem do amor
Cor de laranja
Blog de laranja
Pomboca
/var/log
Bosque da Robina
Maria da Lua
Thelma & Louise
Little black spot
Afixe
Una ragazza
Blog do Marretas
Do lado de cá
Homem a dias
Blog de terapia
Fragmagens
Assentador
Blog de uma loura
Brígida Jonas

orquidea
Miss Xangai

laranja

amarelaEvermelha

brancoEamarelo

vermelha


~Últimas pinceladas~

A ler (II) Lido
Boa notícia do dia
Ronfe
Eu não disse que a semana ia correr bem (NOT)?
Memórias de uma Gueixa
Continuação de boa semana
Nada como começar bem a semana
Não sei o que andei a fazer durante a noite, só se...
Depois do SIM
Vontades


~Contacto Colorido~
diascoloridos@hotmail.com


~Cores do passado~
Setembro 2003

Outubro 2003

Novembro 2003

Dezembro 2003

Janeiro 2004

Fevereiro 2004

Março 2004

Abril 2004

Maio 2004

Junho 2004

Julho 2004

Agosto 2004

Setembro 2004

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Janeiro 2007



   

sábado, março 11, 2006

A ler (III)


Paula
Isabel Allende

O carácter trágico e autobiográfico da obra "Paula", de Isabel Allende, publicada em 1994, (co)moveu leitores à volta do globo. Com efeito, a adesão ao romance foi tal que a escritora recebeu inúmeras cartas de solidariedade provenientes de diversas partes do mundo, que compilou num livro, em 1997. Tudo isto porque "Paula" aborda a doença que viria a vitimar a filha da autora chilena, em 1992. Uma obra que escreveu para "não ficar louca".

"Ouve, Paula, vou contar-te uma história para que, quando acordares, não te sintas perdida", começa assim Isabel Allende. A escritora, face ao estado comatoso da sua filha Paula, dirige-lhe esta espécie de documento autobiográfico, percorrendo o passado da sua família, as histórias, os amores, as personagens, ao mesmo tempo que vão emergindo dessa narrativa as emoções doloridas do presente.

O livro divide-se em duas partes, a primeira redigida em Madrid, nas horas passadas nos corredores do hospital e no quarto de hotel onde Allende viveu durante meses, e a segunda produzida entre o Verão e o Outono de 1992, na casa da autora na Califórnia, à cabeceira da cama da sua filha. "Enquanto escrevia a minha filha continuava viva, por isso demorei tanto tempo a escrever este livro, para prolongar a sua presença junto de mim", afirmou posteriormente Isabel Allende.

"Paula" surge na linha de continuidade em relação ao estilo de escrita de Allende, marcado não só pelas influências do realismo mágico característico da literatura latino-americana, mas também pela intensidade da sua narrativa, sempre carregada de experiências e personagens incomuns, bizarras até, à margem de toda e qualquer convenção social. Mas "Paula", dado o seu carácter intimista, em forma de diário, narrado ao lado da sua filha, uma doente clinicamente privada de consciência, estabelece também uma nova etapa na carreira literária de Isabel Allende, distanciando-se de certa forma de obras anteriores como "A Casa dos Espíritos", "De Amor e de Sombra" ou "Plano Infinito".


Um livro "emprestadado" que há muito tempo queria ler e que encontrei em casa de uma querida amiga.
Emprestadado porque eu acho que o trouxe emprestado e ela acha que mo deu. Quando acabar de o ler logo vemos em que ficamos, pode ser amiga?

[posted by inha  @ 13:13 -

1 cores:

às 13/3/06 08:10, Blogger Nekynho tentou dar cor a isto...

Uma solução intermédia pode ser concluir que alugaste o livro. Assim pagas um lanche á amiga. Ela fica toda feliz e tu ficas com a consciência tranquila lol
Boa semana :o)

 

Enviar um comentário

<< De volta a casa